Quem somos

A Rede Peteca – Chega de Trabalho Infantil é uma plataforma que visa a promoção dos direitos da criança e do adolescente a partir da erradicação do trabalho infantil no país. 

A partir da comunicação, buscamos desnaturalizar o trabalho infantil disseminando informações relevantes sobre o tema por meio de campanhas, reportagens, colunas e materiais de apoio disponíveis no site e nas páginas do  YouTube e do Facebook da Rede Peteca. O intuito é articular atores estratégicos, engajar a sociedade em torno da questão e influenciar políticas públicas (advocacy) que contribuam para o fim do trabalho infantil. 

Além das ações de comunicação, desenvolvemos projetos de formação EaD e presencial para a rede de proteção social, assim como elaboramos e executamos metodologias de busca ativa de crianças em situação de trabalho infantil em espaços públicos e privados.  

HISTÓRICO

cartaz rede peteca

Projetos de comunicação

A iniciativa, lançada em 26 de setembro de 2016, é resultante da parceria entre a Associação Cidade Escola Aprendiz, o Ministério Público do Trabalho e a Associação para o Desenvolvimento dos Municípios do Estado do Ceará (APDMCE)

Em 2018, desenvolvemos campanhas em parceria com o Insituto C&A de enfrentamento ao trabalho infantil na indústria da moda. Na semana da em São Paulo Fashion Week (SPFW), mais importante evento de moda do Brasil, foi realizada distribuição de material informativo sobre o trabalho infantil na indústria têxtil em oito escolas públicas da capital paulista que tradicionalmente concentram oficinas de costura na cidade de São Paulo. Posteriormente, também foi realizada roda de conversa em uma das escolas, em uma iniciativa de aproximar a escola da rede de proteção, em especial a assistência social.

Alguns projetos abaixo também contam estratégias de comunicação em suas metodologias.

Projetos de formação

Em 2017, desenvolvemos ocurso a distância O conselho tutelar no combate ao trabalho infantil”, em parceria com o MPT/SP. A iniciativa conquistou o 1º lugar doPrêmio do Conselho Nacional do Ministério Público 2017 na categoria Comunicação e Relacionamento, concorrendo com outros 1076 projetos. O curso foi ministrado em março e abril de 2017 e ganhou uma segunda edição em outubro alcançando 675 profissionais.

Entre abril de 2018 e março de 2020, a Rede Peteca desenvolveu também o projeto Chega de Trabalho Infantil no distrito do Jardim Ângela, zona sul de São Paulo, com o apoio do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), por meio do Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (FUMCAD). Por meio dele, publicamos o Guia Passo a Passo – Erradicação do Trabalho Infantil na cidade de São Paulo, que pautou o ciclo formativo de oito encontros voltados para a rede de proteção local. A culminância do conhecimento adquirido ao longo do curso foi um seminário, realizado na organização parceira Santos Mártires, voltados para crianças e adolescentes atendidos pelos CCAs da região, assim como agentes da rede de proteção social local. 

Projetos de busca ativa

trabalho infantil durante a pandemia tiago querioz rede peteca chega de trabalho infantilEm 2019, o Shopping Metrô Santa Cruz implementa a metodologia Chega de Trabalho Infantil nos Shopping Centers voltada para a prevenção e erradicação do trabalho infantil. Desenvolvida em parceria com a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social de São Paulo (SMADS) e a Rede Peteca – Chega de Trabalho Infantil, a iniciativa consiste em disponibilizar uma equipe social do próprio shopping para realizar a abordagem de crianças e adolescentes em situação de violação de direitos. Paralelamente, é realizada uma campanha de comunicação tendo como público-alvo consumidores e lojistas, alertando que quem quer ajudar de verdade não deve dar dinheiro nem comprar nada de crianças e adolescentes. 

Entre outubro de 2019 e abril de 2020, uma metodologia semelhante foi ajustada para o contexto do Shopping Pátio Higienópolis. 

Entre agosto de 2019 a março de 2020, foi desenvolvido o projeto Chega de Trabalho Infantil na indústria da modal de São Paulo, em parceira com o então chamado instituto C&A, hoje conhecido como Fundação Laudes. 

O projeto teve a duração de oito meses e se pretendeu como uma abordagem-piloto de uma adaptação do Aluno Presente para o contexto da região central de São Paulo. Foram identificadas 129 crianças e adolescentes em situação de infrequência ou evasão escolar, sendo que 78 estavam em situação de trabalho infantil.