Assistente Social

Imagem mostra a assistente social Maria Cristina de Oliveira

Maria Cristina de Oliveira/Arquivo pessoal

“O assistente social existe para desenvolver ações de enfrentamento às violações de direito.” É dessa forma que a assistente social Maria Cristina de Oliveira define sua profissão –  que exerce papel fundamental no apoio ao combate do trabalho infantil.

No Brasil, o Serviço Social surgiu no final da década de 1930, mas a profissão foi oficializada alguns anos depois, em 1957. Desde então, o assistente social atua no fortalecimento e apoio de indivíduos, famílias e comunidades no enfrentamento das questões sociais. Assim, o profissional da área é responsável por dialogar para facilitar o acesso às políticas públicas que melhor atendam as necessidades dos cidadãos.

“Desde adolescente me interesso pelas questões sociais. Por conta de um acidente durante a minha infância, acabei me aproximando dessa área e decidi ser assistente social”

Em 1981, Maria Cristina de Oliveira, de 47 anos, viu surgir uma curiosidade pelo trabalho dos assistentes sociais. No dia 10 de setembro daquele ano, ela e sua família passaram por um triste acidente: perderam a casa por conta de um incêndio.

Moradora de uma comunidade em São Bernardo do Campo (SP), Maria Cristina foi amparada pelo trabalho dos assistentes sociais que prestaram apoio imediato com o fornecimento de colchões, cobertores e alimentação. “Essa situação foi determinante para que eu me aproximasse das discussões sociais. Obviamente que eu era uma criança, mas foi algo que acabou me conduzindo e me aproximando mais da questão dos direitos”, conta.

Formada na Faculdade Paulista de Serviço Social de São Caetano do Sul em 1993, Maria Cristina possui também pós-graduação na área da violência doméstica contra crianças e adolescentes pelo Laboratório da Criança da USP e mestrado em Serviço Social pela PUC/SP.

“Os atendimentos às famílias, que fiz ao longo da minha carreira, me marcaram muito. Alguns profissionais carregam uma carga de moralidade e não conseguem realizar um bom atendimento. Precisamos formar assistentes para atender os casos sem pré-julgamentos”, diz.

Como ser um assistente social

O serviço social é uma profissão regulamentada de acordo com a lei 8.062 de 7 de junho de 1993. Durante os quatro anos da graduação em Serviço Social, o estudante entra em contato com áreas do conhecimento relacionadas à filosofia, sociologia e metodologia do trabalho. No fim do curso, o graduado recebe uma habilitação para poder exercer a profissão, conhecido como Registro no Conselho Regional de Serviço Social (CRESS).

 

Atuação

O assistente social pode atuar em diversos espaços. Na área da educação, por exemplo, o profissional pode trabalhar dentro de escolas, promovendo cursos de capacitação aos pais e professores acerca do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), além de acompanhar e encaminhar violações de direitos que tenham sido identificados dentro daquele ambiente. No caso de evasão escolar, o assistente pode intervir com programas de orientação familiar para reverter esse quadro.

Ao falarmos especificamente de exploração infantil, o assistente social será responsável por realizar uma escuta qualificada com a família da criança, procurando entender o cenário. Entretanto, ainda que exista uma atenção especial com as famílias em casos de trabalho doméstico, em situações mais extremas, a atuação do profissional será diferente. Em situações que se enquadram na lista de piores formas, como exploração sexual, o atendimento deve ser imediato, visando retirar a criança/adolescente daquela situação.

Diferença entre CREAS e CRESS

Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS)
Unidade pública onde se ofertam serviços especializados e continuados a famílias e indivíduos nas diversas situações de violação de direitos na perspectiva de potencializar e fortalecer sua função protetiva. Usuários são famílias e indivíduos que vivenciam violação de direitos, dentre eles a violência física, psicológica, sexual, situação de rua, cumprimento de medidas socioeducativas em meio aberto, etc. Fonte: Prefeitura de São Paulo

Conselho Regional de Serviço Social (CRESS)
Órgão público responsável por orientar, disciplinar, fiscalizar e defender o exercício da profissão de Serviço Social.