publicado dia 22/08/2018

Unicef convoca candidatos a colocar crianças e adolescentes no centro do debate eleitoral

por

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) apresentou nesta quarta-feira (22) ações para dar visibilidade às crianças e adolescentes nas eleições de 2018. E especialmente para estimular o debate dos candidatos.

A entidade divulgou o documento “Mais que promessas: compromissos reais com a infância e a adolescência no Brasil”, com o objetivo de mostrar aos candidatos seis prioridades e sugestões envolvendo os direitos da população com menos de 18 anos. Além disso, o fundo lançou uma plataforma digital do projeto, em que os eleitores poderão dialogar diretamente com os postulantes aos governos estaduais e federal.

De acordo com o Unicef, o objetivo da ferramenta é permitir que a população questione os candidatos sobre propostas que garantam os direitos e o bem-estar das crianças e dos adolescentes brasileiros. Para participar, as pessoas interessadas só precisam acessar o site www.maisquepromessas.com.br e usar o WhatsApp, o Facebook Messenger ou o Twitter.

Prioridades

As prioridades apresentadas pelo fundo no documento são as seguintes: pobreza multidimensional, homicídios, educação, saúde infantil, nutrição e participação política dos adolescentes.

As eleições de 2018 contam com 1,4 milhão de eleitores com menos de 18 anos – uma redução de 230 mil pessoas em relação ao número verificado em 2014. Diante do quadro, o Unicef pede que participação direta dos adolescentes e jovens seja assegurada na decisões de cada comunidade e nos programas com impactos na população mais jovem.

Além disso, o Unicef propõe que o enfrentamento da pobreza e a promoção da educação entre o público infanto-juvenil sejam focados em políticas multissetoriais com orçamento integrado. Um estudo inédito publicado entidade em agosto revelou que 61% das crianças e dos adolescentes brasileiros são pobres. Além disso, o fundo destaca que, em 2015, 2,8 milhões de pessoas entre os quatro e os 17 anos estavam fora da escola.

A entidade sugere que os candidatos analisem também as causas sociais da violência urbana, que mata 31 crianças e adolescentes por dia no país. Pede que os futuros governantes se comprometam a acabar com a impunidade nos crimes e que ofereçam oportunidades para adolescentes em estado de vulnerabilidade social.

Saúde

Para combater as crescentes as taxas de mortalidade infantil e a queda da cobertura de vacinas no Brasil, o fundo demanda qualidade da atenção básica das famílias desde o pré-natal, bem como a busca ativa de crianças não imunizadas. Destaca ainda a necessidade ações de sensibilização das comunidades.

Já os problemas da obesidade de crianças e adolescentes e da desnutrição em populações ameríndias poderiam ser combatidos, segundo o Unicef, por meio da regulamentação do setor de alimentos, de bebidas, da publicidade dirigida às crianças e, no caso dos indígenas, através de investimentos em políticas nutricionais.

 

 

Brasil tem mais de 700 mil crianças e adolescentes em situação extrema de trabalho infantil, diz Unicef