publicado dia 19/06/2018

Prefeitura de SP lança Selo Municipal de Direitos humanos para boas práticas em organizações

por

A Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC) da Prefeitura de São Paulo lançou, nessa segunda-feira (18), o Selo Municipal de Direitos Humanos e Diversidade.

Instituída pelo Decreto nº 58.180/2018, a política pública busca reconhecer boas práticas de promoção dos direitos humanos e valorização da diversidade promovidas por organizações públicas (incluindo empresas públicas e de economia mista), privadas e do terceiro setor que atuem na capital paulista.

O edital de abertura da edição de 2018 do Selo foi divulgado nesta terça-feira, e as inscrições vão até 20 de julho. Em outubro, serão anunciados os vencedores em dez categorias: Crianças e Adolescentes; Idosos; Igualdade Racial; Imigrantes; Juventude; LGBTI; Mulheres; Pessoas com deficiência; Pessoas em situação de rua; Pessoas privadas de liberdade e Egressas. Cada organização poderá inscrever uma ação em mais de uma categoria.

No evento de lançamento do selo, a secretária Municipal de Direitos Humanos e Cidadania, Eloisa de Sousa Arruda, apontou que investir na diversidade da força de trabalho gera melhores resultados, inclusive econômicos, pois quanto, mais diverso for o público interno, mais bem representados estarão seus clientes. “O Selo é uma possibilidade de aproximar as empresas no debate sobre inclusão e promover a troca de experiências”, disse a secretária.

Já o prefeito Bruno Covas (PSDB) destacou os estudos em andamento sobre possibilidade de o Selo ser utilizado para beneficiar as organizações premiadas – por exemplo, como desempate em licitações.

“Esse selo é uma oportunidade para reconhecer os bons exemplos que temos na cidade de São Paulo. E até mesmo pensar em possibilidades para dar um tratamento diferenciado em licitações para essas organizações que têm boas práticas de inclusão em direitos humanos e que ajudam os menos favorecidos”.

Painéis

Na mesa de abertura do evento, além do prefeito Bruno Covas e da secretária de Direitos Humanos e Cidadania, Eloísa Arruda, estiveram presentes o secretário da Pessoa com Deficiência, Cid Torquato, o editor executivo da MGN Consultoria – empresa que, como forma de doação, ajudou na elaboração do projeto –, Marcelo Nonohay, o reitor da Faculdade Zumbi dos Palmares, José Vicente, e os vereadores João Jorge e Zé Turin.

Na segunda parte do evento foi realizado o painel “Diversidade no mercado de trabalho”, com as participações de Marinalva Cruz, secretária adjunta da Secretaria da Pessoa com Deficiência; Deborah Vieitas, CEO da Amcham Brasil; José Vicente, reitor da Faculdade Zumbi dos Palmares, e Andréa Regina, gerente executiva de Sustentabilidade Corporativa da Serasa Experian, com mediação de Marina Luna, da Secretaria Municipal de Direitos Humanos.

Ao longo do painel, foram abordadas questões sobre as dez categorias contempladas no Selo municipal, como racismo institucional, gênero, acessibilidade e oportunidades para jovens.

“A conscientização sobre a importância da diversidade se inicia de cima. Precisamos sensibilizar as lideranças das organizações, pois assim teremos mais ações de direitos humanos. E tais ações começam com programas para jovens aprendizes, de formação e de capacitação para cargos de liderança”, afirmou Deborah Vieitas, primeira mulher a ocupar o cargo de CEO da Amcham Brasil.

O reitor da Faculdade Zumbi dos Palmares, José Vicente, também destacou a importância de as organizações valorizarem a contratação e o desenvolvimento de jovens talentos.

“Temos que facilitar a entrada de jovens nas empresas. Eu sugiro às organizações a investirem muito nos estagiários, aprendizes, trainees. E o Selo poderia destacar esse aspecto, premiando empresas que investem nos jovens”, afirmou.

Campanha Copa Sem Trabalho Infantil inicia ações nas ruas de São Paulo